Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Arquivo NippoBrasil: Zashi - Destaques

Destaques: NippoBrasil
    

SEMPRE ZEN
Matéria publicada no Zashi edição 3 - Novembro de 2007

A alegria de aprender com os próprios erros

(Por Venerável Mestre Hsing Yun*)

Seres humanos não são santos ou sábios infalíveis!” Em tempos antigos, na China, governantes benevolentes tiveram a coragem de “proclamar seus próprios erros” e humildes ministros tiveram bravura suficiente para “carregar toda a culpa em seus ombros”. Grandes imperadores e sábios também se alegraram em aprender com seus erros – a capacidade de admitir os próprios enganos é uma virtude.

Admitir os erros

Hoje em dia, em nossa sociedade, muitas pessoas, especialmente os jovens, têm em comum um grande defeito: recusam-se a aprender com suas falhas ou a admitir seus erros. Por mais que os outros gentilmente os aconselhem, apenas justificam sua posição ou tentam, deliberadamente, encobrir seus erros, sem jamais admiti-los. Como poderão alcançar qualquer realização e progredir, se sempre se esquivam da culpa e se recusam a receber conselhos?

O escândalo do ex-presidente americano Bill Clinton com sua estagiária Mônica Lewinsky causou indignação geral. O fato de ele haver admitido seu erro e se desculpado perante seus compatriotas, no entanto, fez com que a escura nuvem que pairava sobre sua cabeça clareasse e ele voltasse a brilhar. Alguns líderes são, às vezes, depostos de seus cargos em razão de denúncias de políticos inimigos. Se eles simplesmente admitissem seus erros, teriam a opinião pública a seu favor e a devida justiça seria feita. Nem a população – pais e filhos, patrões e empregados ou mesmo amigos – costuma admitir suas falhas.

Humildade e coragem

É preciso coragem para admitir os próprios erros. No passado, os chineses foram escarnecidos, chamados de “os doentes do Extremo Oriente”. A verdade é que todos são covardes quando defrontados com a perspectiva de ter de admitir e aprender com os seus erros. Isso porque a maioria de nós considera as falhas como sendo vergonhosas e admiti-las é uma grande humilhação. O confucionismo ensina: “Experimentar a humildade é aproximar-se da coragem.” Assim, é corajoso aquele que verdadeiramente conhece o arrependimento e a humildade. O caminho para a budeidade diz: “Deveríamos nos envergonhar do que não entendemos, do que não podemos alcançar e do que é impuro.”Quando formos capazes de sentir vergonha e admitir nossos próprios erros, seremos capazes de cultivar a mente bodhi e trilhar a senda da budeidade.

O pai fundador da República da China, doutor Sun Yat-sen, mesmo depois de muitos enganos, perseverou em sua tentativa de revolucionar o país e, finalmente, conseguiu derrubar a Dinastia Qing e estabelecer a República. Confúcio escreveu: “Quando errados, não devemos temer nos corrigir.” Somente quando formos capazes de obter alegria em aprender com nossos erros seremos capazes de corrigi-los. É assim que deveria ser.

Pensamentos

“Não se aflija com a escassez:
seja rico em sua mente.
Não se aflija com a penúria:
seja seu próprio senhor.”

“Quando houver chance
de agir, aproveite.
Quando não houver nada a fazer, ao menos faça bons vínculos.”

* É o 48º patriarca do budismo chinês da escola
Ch’an. Fundador do Monastério Fo Guang Shan,
em Taiwan, e do Templo Zu Lai, em Cotia (SP),
cujas raízes são do Budismo Mahayana, que enfatiza a aproximação
da natureza búdica ao alcance de todos.

© Copyright 1992 - 2015 - Portal NippoBrasil

Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br


15 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)